terça-feira, fevereiro 03, 2009

Associação Nacional de Professores (ANP) inicia processo para criação de Ordem

A Associação Nacional de Professores (ANP) iniciou hoje em Braga o processo conducente à criação da Ordem dos Professores, com a realização da primeira reunião do conselho instituído para o efeito.
O presidente da ANP, João Granjo, disse à agência Lusa que os docentes já demonstraram, num estudo feito em 2006 e 2007, a sua "vontade clara" de criar uma Ordem dos Professores, mas a associação decidiu esperar pela fixação do quadro jurídico para a criação das ordens profissionais, o que aconteceu em 2008.

João Granjo referiu que o Conselho para a Promoção da Ordem dos Professores vai auscultar as associações profissionais e solicitar às escolas que induzam os docentes a tomar opinião sobre esta matéria.

O presidente da ANP afirmou que este processo "poderá não incluir um referendo" à classe, consulta que "não é uma obrigação legal".

O que a lei obriga é a realização de um estudo independente, a encomendar pelo conselho, que integra "docentes de todas as áreas científicas e pedagógicas".

João Granjo admitiu que, "provavelmente, não há vontade política para a criação da Ordem, porque uma ordem determinará uma auto-regulação".

"O Estado tem assumido uma função centralizadora, o que nos faz pensar que não estará motivado", afirmou, reconhecendo que, contudo, a criação da Ordem terá de passar por uma iniciativa legislativa do Governo ou da Assembleia da República.

O presidente da ANP admitiu que este processo possa demorar dois ou três anos, tal como aconteceu no Canadá, e desejou que todos os representantes da classe, incluindo os sindicatos, participem na "discussão alargada" que agora se inicia.

"Não me parece que este processo possa merecer a oposição dos sindicatos", afirmou, realçando que a Ordem "não visa a melhoria das condições salariais", mas sim a auto-regulação e a definição de um código deontológico.

© 2009 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

2 comentários:

odnamra disse...

Qual ORDEM qual quê!

As ordens profissionais só servem para levar dinheiro à rapaziada.
Eu não serei melhor professor se estiver inscrito numa ORDEM.
Eu não vou obrigar os alunos a terem educação só porque estou inscrito na ORDEM.
As famílias com dificuldades económicas não irão ter alunos inteligentes só porque os professores estão inscritos na ORDEM.
Os EE que não sabem educar, responsabilizar, corrigir, ajudar, etc. os seus filhos, não irão passar a fazê-lo só porque os professores estão inscritos numa ORDEM.
Os filhos mal educados pelos seus progenitores irão continuar a sê-lo e cada vez mais irão bater nos seus pais e não é uma ORDEM dos professores que irá mudar isso.

Os pais (e os psicólogos do eduquês e da treta) têm que meter duma vez por todas que “DE PEQUENINO SE TORCE OS PEPINO”. As criancinhas têm que ter orientações rígidas desde pequenas. Se não for a bem tem que ser a mal, isto é castigados no momento exacto, se for preciso com uma palmada no rabo!

Não será uma ORDEM que resolve isto!
Mas talvez quanto mais crianças baterem nos pais, mais rápido se olhe para começar exactamente por aqui.
Dar condições às famílias e dar educação rigorosa às crianças!
…. E a avaliação de professores será desnecessária!

odnamra disse...

DE PREFERENCIA DEVIA-SE CONVENCER ALGUNS PAIS QUE É MAIS IMPORTANTE SABER EDUCAR OS FILHOS DO QUE FAZER CURSOS PARA APRENDER A "EDUCAR" CÃES!
SE HOUVESSE NAS ESCOLAS ALUNOS QUE GOSTASSEM DE APRENDER SERIA DESNECESSÁRIO PENSAR EM AVALIAR PROFESSORES, PORQUE A CULPA DOS MAUS RESULTADOS ESCOLARES NÃO É DOS PROFESSORES MAS SIM DOS ALUNOS QUE NÃO TÊM CIONDIÇÕES PARA SEREM BONS ALUNOS!